terça-feira, 17 de janeiro de 2012

CÁLCULO DA RESERVA TÉCNICA DE INCÊNDIO


Para cálcular o volume da reserva técnica de incêndio, recorremos a fórmula V = Q x t, constante no item 5.4.2 da NBR 13.714/2000, onde:

V = Volume da reserva técnica de incêndio em litros;
Q = É a vazão, em litros por minuto, de dois jatos de água do hidrante mais desfavorável hidraulicamente, conforme item 5.3.3 e Tabela 1 da NBR 13.714/2000;
t = É o tempo de 60 minutos para sistemas tipo 1 e 2, e de 30 minutos para sistema tipo 3.

Exemplo:
Um prédio classificado como comercial varejista, conforme a Tabela D.1 da NBR 13.714/2000, necessita de um sistema tipo 2. Para calcularmos o volume necessário para a reserva técnica de incêndio, aplicaremos a fórmula demonstrada acima.

V = Q x t


onde,
V = (300)* + (300)* x 60**
V = 600 x 60
V = 36.000 litros

* Ver vazão constante na Tabela 1 da NBR 13.714/2000, para sistemas tipo 2, lembrando que o "Q" referê-se a vazão de dois jatos de água do hidrante mais desfavorável hidraulicamente;
** 60 é o tempo em minutos para sistemas tipo 1 e 2.

Até aqui parece fácil calcularmos o volume da reserva técnica de incêndio, porém se não for feito um projeto hidráulico detalhado com o cálculo de uma bomba adequada, considerando as perdas de carga, corre-se o risco de após executado o sistema hidráulico de combate a incêndio sob comando, não se alcançar a vazão mínima de 300 litros/min (3,4 Kgf/cm²) desejado, tornando o sistema muitas vezes inútil ou ainda possuirmos um sistema com vazão superior aos 300 litros/min o que é comum de acontecer quando se executa um sistema hidráulico de forma empírica.
Vejamos o exemplo de um sistema que foi executado com uma vazão de 325 litros por minuto na saída do esguicho, mantendo-se o volume da reserva técnica de incêndio inalterada:

V = Q x t
36.000 = (325) + (325) x t
650t = 36.000
t = 55 minutos

Tivemos a perda de 5 minutos no combate ao fogo, pode parecer pouco mas esses 325 litros/min referê-se a uma pressão de apenas 4 Kgf/cm² na saída de cada esguicho no hidrante mais desfavorável hidraulicamente, o que não é dificil de se encontrar na maioria dos sistemas hidráulico tipo 2 por ai instalados.
Agora vamos fazer o mesmo cálculo para uma pressão de 6 Kgf/cm²:

6 Kgf/cm² = 398,1 Litros/min (Sistema Tipo 2)

V = Q x t
36.000 = (398,1) + (398,1) x t
796,2t = 36.000
t = 45 minutos

Portanto chegamos a conclusão que um sistema hidráulico com 2,6 Kgf/cm² a mais de pressão na saída do esguicho do hidrante mais desfavorável hidraulicamente, provoca a perda de 15 minutos no combate as chamas o que pode comprometer as chances de exito de se extinguir por completo o incêndio, lembrando que esses valores referêm-se a apenas um hidrante, pois se para o combate as chamas for empregado no mínimo mais um hidrante, chegaremos a perigosos 22,5 minutos de tempo disponivel para o combate, não se esquecendo de que estamos falando do hidrante mais desfavorável hidraulicamente, pois dependendo das dimensões e altura da edificação podemos ter um ganho de 1 ou 2 quilos de pressão se empregarmos os hidrantes mais favoráveis o que ira provocar ainda mais o aumento da vazão e por consequência a queda do tempo disponivel para o combate as chamas.
A solução para esse problema é simples, MAIOR VAZÃO = MAIOR VOLUME DE ÁGUA NA RESERVA TÉCNICA DE INCÊNDIO, tendo em mente a máxima de que não queremos afogar o incêndio, apenas controlar e extinguir o fogo, finalizando com o rescaldo para evitar nova ignição.

Fonte:
http://braatzprevencao.blogspot.com/2011/01/calculo-da-reserva-tecnica-de-incendio.html

Nenhum comentário:

Postar um comentário